PUBLICIDADE

Patrícia Tavares emociona-se ao recordar Nicolau Breyner: “Há-de ser sempre para mim, o meu mestre”

Patrícia Tavares esteve à conversa com Manuel Luís Goucha, na tarde desta quinta-feira. A atriz recordou Nicolau Breyner, que faleceu em 2016.

PUBLICIDADE

“Não há muita gente como ele, ele era um ‘fora de série’. A primeira cena que eu gravei com o Nicolau (…) a cena tinha 4 páginas e eu sabia as vírgulas (…) e ele disse-me “Miúda, não vamos dizer metade” e eu disse “Meu Deus” e foi das cenas mais bonitas que fiz na vida”, recordou a atriz.

“Ele tinha esse talento inacreditável de estar ele bem na cena mas de fazer com o que o outro estivesse bem ou melhor, ele tinha esse gosto, ele partilhava o conhecimento. Há-de ser sempre para mim, o meu mestre”, disse, visivelmente emocionada.

“Faz-me muita falta mas ele aparece-me imenso, nas situações mais incríveis (…) às vezes abro uma gaveta e ele está lá, numa fotografia, numa capa de revista, isto para mim são sinais, porque eu penso muito nele”, revelou.